Esterilização de afro-americanos, um ato de genocidio

Entre 1958 a 1968 foram efetuadas mais de 2.100 esterilizações na Carolina do Norte.

Um estudo da universidade norte-americana de Duke aponta que um programa de esterilização conduzido até 1974 no estado da Carolina do Norte, nos Estados Unidos, visou deliberadamente afro-americanos, considerando que se tratou de “um ato de genocídio”.

De acordo com o estudo, publicado na última edição da revista American Review of Political Economy, entre 1929 e 1974 cerca de 7.600 homens, mulheres e crianças, em alguns casos com apenas 10 anos, foram submetidos a esterilização cirúrgica, parte de um programa criado na Carolina do Norte para impedir a reprodução de pessoas “de mente fraca” e servir o “interesse público”.

A maioria das operações foram realizadas à força, pode ler-se no estudo, embora algumas mulheres recorressem ao programa voluntariamente, por não disporem de outros meios de contraceção, declarando-se para isso mães inaptas.

O estudo examinou especificamente os anos de 1958 a 1968, período durante o qual foram efetuadas mais de 2.100 esterilizações naquele estado norte-americano, situado no sudeste do país.

TSF

Foto: Brandon Bell/Getty Images/AFP

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s